sexta-feira, maio 20, 2005

Profecia

Depois de palavras pela tua voz entonadas
e sonhos de amor não realizados
percebo que a espera dói
Provo a queda que fere e
a realidade que fria e crua
não une rios.
Poeta profere profecia em poema
sem saber

Débora H.
18 de Maio de 2005.

2 comentários:

Carlos disse...

Muito bacana essa sua poesia Débora, parabéns. bjs e um ótimo final de semana pra vc.

Luiz Ricardo disse...

"Poeta profere profecia em poema
sem saber"

Uma grande verdade! Ótimo ler teus versos novamente Débi!

Bjao!

Ricardo