sexta-feira, outubro 03, 2008

Flor de Maracujá

     O pensamento voa alto como as folhas do pé de maracujá ao vento. Questiona o risco de quebrar como porcelana fina pós noite de risos, sorrisos, comédia, cultura e poesia. Em tempo, lembra de quem anda de metrô pensando em algo como facções separatistas e shows de Rock'n Roll. E recorda como a divisão do alfabeto pode ser mais que qualquer gesto. Em um mesmo pensamento, de A a Z, cabem infinitos sentimentos e idéias e dúvidas e vidas.
     Já me julgaram louca... Sim... Tenho em mim a loucura de me achar "poeta". Louca como o louco da Balada de Piazzolla. Louca como quem pensa no metrô ou faz divisão do alfabeto. Concluo que não há razão para qualquer arrependimento na vida, em todo e qualquer sentido. E acabo naquela noite dormindo no banco do jardim, ao lado do pé de maracujá.
     Tudo cabe e vale nos meus pensamentos.

Débora Linden Hübner / Outubro de 2008.


4 comentários:

Lidiani Lehnen disse...

Sempre tão doces e tão instigantes palavras.
Sinto isso, vivo isso.

Saudade de ti.
Beijão

Fabio Rocha disse...

Ah, o que seria do mundo sem os loucos para mudá-lo?

Beijos

João Rocha disse...

Texto bom de ler... gostei do teu blog! Parabéns.

lidi ;) disse...

saudade....